[Divulgação] Edital para a coletânea de contos O Mundo ao Contrário, organizada por Maurício Coelho

O Mundo ao Contrário

Uma excelente oportunidade para quem gosta de escrever contos e pretende ver um de seus textos publicado. No dia 22 de maio abrirão as inscrições para quem quiser participar da coletânea de contos O Mundo ao Contrário, cujo tema será realidades paralelas. Abaixo deixo o edital e algumas dicas e links úteis àqueles que desejam participar da seleção. Boa sorte!

REGULAMENTO ANTOLOGIA O MUNDO AO CONTRÁRIO:

1. O conto deverá estar dentro do tema proposto (realidades paralelas).

2. Cada participante poderá concorrer com apenas 1 (um) conto.

3. O conto deverá ter no máximo 13 mil caracteres com espaço.

4. O autor selecionado se compromete a pagar o valor único de R$ 60,00 (sessenta) referente às despesas de publicação. Por esse valor, o autor levará um exemplar da antologia (frete incluso).

5. O conto deverá ser enviado em fonte Times New Roman, tamanho 12, justificado, espaçamento 1.5 entre linhas.

6. O conto e uma biografia do autor deverá ser enviado para o email: coletanea2016@gmail.com com cópia para  antologias@portodelenha.com  com o título CONTO PARA MUNDO AO CONTRÁRIO

7. Curta a página http://bit.do/b2YF7 e entre em contato para tirar dúvidas

8. Os nomes dos selecionados serão divulgados no site da Porto de Lenha-Editora e na página do organizador, Maurício Coelho.

PRAZO: 22/05/2016 até 23/09/2016

RESULTADO: Até o dia 30/09/2016

PARA SABER MAIS: 

História Alternativa. Disponível em:

MEDEIROS, A. Ponto reverso. São Paulo: 
Andross Editora, 2014.

Universo Paralelo. Disponível em: 

Algumas opções (por Leonardo Ribeiro):

  • O Brasil nunca deixou de ser monarquia.
  • Os povos americanos é que se expandiram e colonizaram Europa, Oceania e Ásia.
  • A China jamais abandonou as grandes navegações e colonizou o mundo todo.
  • Mouros e mongóis dominaram a Europa e depois o mundo. E o racismo funciona de forma reversa nessa realidade.
  • As outras espécies humanas jamais se extinguiram e temos Homo floresiensis (hobbits) na Oceania, Homo erectus na Ásia, Homo sapiens sapiens na África e Homo sapiens neandertalensis na Europa. Na América, as quatro espécies se digladiam, tendo vindo em migrações independentes.
  • O monoteísmo nunca passou de uma ou umas poucas seitas obscuras, com o politeísmo, panteísmo, panenteísmo, entre outras variantes sendo as religiões predominantes.
  • Todos os movimentos separatistas do Brasil foram bem sucedidos, havendo vários países lusófonos na América do sul. Enquanto isso, no Norte, Canadá são dois países (um que fala francês e outro que fala inglês) e a guerra civil americana realmente dividiu o país ao meio.
  • Nunca houve uma ditadura militar no Brasil, ocorreram as reformas de base, qualquer tentativa de golpe foi sufocada, o Brasil nunca passou por uma crise de hiperinflação e é um país de primeiro mundo e o Mercosul tem peso similar à União europeia, tendo o Real como moeda única.
  • A magia existe, é ensinada em cursos universitários e em cursos técnicos, e é usada em escala industrial, mudando totalmente a economia e as relações entre países.
  • O colapso ambiental correspondeu às previsões mais pessimistas e o mundo entrou em colapso ambiental irreversível em 21 de dezembro de 2012.
  • A preocupação com o meio ambiente se iniciou de forma forte já no início do processo de industrialização, de modo que a questão ambiental nunca chegou aos níveis críticos do mundo atual.
  • O istmo do Panamá nunca se formou, não alterando o clima pela alteração das correntes marítimas, de modo que o leste africano nunca ficou árido e a espécie humana nunca surgiu.
  • Humanos conseguem descobrir como viajar entre realidades alternativas, chegando a essa terra que não possui seres humanos.
  • O Brasil nunca saiu da ditadura militar, a hiperinflação continua a ser um problema e a Bolsonaro é o ditador do momento.
  • Em vez de uma ditadura militar, o Brasil passou por um período de ditadura comunista.
  • A família Real nunca veio ao Brasil, Portugal foi invadido por Napoleão, o Brasil passou a ser Colônia francesa e a língua oficial passou a ser o francês (que já era mesmo a língua mais falada, junto ao nheengatu, que nessa realidade, nunca foi extinta, existindo como segunda língua oficial, mas sendo cada vez menos usada).


O Mundo ao Contrário