quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Reze pelas mulheres roubadas, de Jennifer Clement - Editora Rocco

Reze pelas mulheres roubadas, de Jennifer Clement - Editora RoccoEm uma aldeia nas montanhas, no estado de Guerrero, México, vive a pequena Ladydi Garcia Martínez e sua mãe. A miníscula aldeia é composta basicamente de mulheres, crianças e escorpiões. Os homens vão todos deixando a aldeia em busca de uma vida melhor para suas famílias, e geralmente atravessam a fronteira com os Estado Unidos atrás de trabalho. Costumam enviar dinheiro para as esposas no início, mas por fim, muitos deles acabam sumindo de vez e constituindo nova família nos Estados Unidos. Então, as mulheres acabam tendo que lutar pela sobrevivência sozinhas. 

Muito triste, não? Mas isso não é o pior! Essas mulheres precisam proteger as suas jovens filhas dos narcotraficantes que roubam as meninas para transformá-las em escravas sexuais. Dificilmente uma menina roubada retornará para casa, pois quando o seu dono cansar dela, sempre poderá vendê-la para outro narcotraficante e, dessa forma, a mesma mulher pode ser vendida muitas vezes.

As mulheres da aldeia criam as meninas como se fossem meninos, até certa idade, e quando não dá mais para esconder a natureza feminina das jovens, elas começam a ser enfeiadas, quanto mais feias forem, melhor, pois serão menores as chances de serem roubadas. Além disso, as mães fazem buracos no chão para esconderem as suas filhas assim que percebem a presença dos raptores. As meninas precisam ficar, por vezes, horas a fio escondidas em um buraco, na presença de escorpiões, para fugir do triste destino de tornar-se uma das tantas mulheres roubadas. 

Paula, uma das melhores amigas de Ladydi, é a menina mais bonita da aldeia, e não consegue tornar-se feia, apesar dos esforços de sua mãe, e um dia é levada. Entretanto, a menina consegue fugir e volta para casa depois de um ano. Obviamente, a jovem já não é mais a mesma, traz consigo marcas da experiência vivida. Uma dessas marcas é uma tatuagem em que se lê "garota do canibal", além de algumas queimaduras de cigarros. Paula em, estado de choque, chega a relatar alguns fatos ocorridos durante o seu cativeiro, mas depois de algum tempo, ela e sua mãe fogem da aldeia para evitar que a menina seja levada novamente. Ladydi acaba sendo presa injustamente e, na prisão, fica sabendo de mais alguns detalhes sobre o infortúnio de Paula.

Claro, trata-se de uma narrativa ficcional, mas o mais chocante é que essa ficção foi elaborada a partir de entrevistas feitas pela autora, durante mais de dez anos, com mulheres que vivem nas regiões mais violentas do México, e que passam por situações semelhantes. Apesar de abordar um tema tão pesado, Jennifer Clement brinda-nos com uma obra de leitura agradável, conseguindo, por vezes, mostrar o lado cômico de algumas situações, sem deixar de tratar o tema com seriedade. O livro é muito bem escrito e, na minha opinião, um de seus principais méritos consiste em trazer a público uma situação que, apesar de  extremamente séria, é desconhecida por muitos.

Reze pelas mulheres roubadas, de Jennifer Clement - Editora Rocco