Instantes


De repente, sem nenhum motivo aparente, vem-me à memória uma noite de verão em que, fascinada, observava o céu estrelado. De fato, não fosse a impressão grandiosa que tal visão me causou, não haveria razão para me recordar de uma noite tao distante no tempo. Nenhum acontecimento marcante, nenhuma experiência inesquecível, enfim, nada que justifique a lembrança depois de tantos anos. Não pude deixar de me perguntar: o que faz com que um momento seja inesquecível? E ainda: como podemos saber se o que estamos vivendo agora não será um desses momentos? A verdade é que não podemos saber, a não ser que já se tenham passado alguns anos.

E, ainda que não pareça, esse é um dos motivos pelos quais a vida, e cada segundo que a compõe, é tão rara. Não podemos nos dar ao luxo de passarmos tão distraidamente por um instante que poderá estar entre os mais importantes de nossa vida. Não podemos perder a oportunidade de viver com o máximo de intensidade aquilo que, um dia, ocupará um lugar de destaque em nossa memória, em nosso museu particular. Um perfume, uma voz, um sorriso, um olhar. Cada detalhe poderá ter uma imensa importância quando as lembranças vierem nos visitar. Faz-se necessário que redobremos a nossa atenção, que não percamos nenhum detalhe, nenhuma gota desse néctar que pinga em nossos lábios a cada avanço dos ponteiros do relógio.

E um dia, em futuro distante, ou talvez nem tanto, olharemos para o céu da nossa memória reconhecendo, em cada estrela, uma dentre as tantas pessoas que fizeram parte de nossas vidas. E quando isso acontecer, que não haja arrependimentos por palavras que morreram na garganta, sem serem ditas; por abraços abortados, que não tiveram a chance de se realizar; por afetos sufocados, covardemente, apenas por medo de viver. Que tenhamos amado tudo o que se tinha para amar. Mas para isso, precisamos entender que, da mesma forma que não podemos reconhecer um momento que será eterno, também não temos como perceber quando conhecemos alguém que será importante para nós, ou ainda, quando estamos falando com um ente amado pela última vez. Prestar atenção em cada instante, em cada pessoa: eis o segredo da vida!

Texto originalmente publicado no site Scribe.