Florbela Espanca: alguns poemas

Florbela Espanca: alguns poemas


Florbela Espanca, poetisa portuguesa, nascida em 8 de dezembro de 1894, apesar de ter vivido pouco, pois morreu aos 36 anos, deixou uma obra poética vasta e de altíssima qualidade. A poetisa teve uma vida tumultuada, cheia de altos e baixos, perdas e sofrimentos. Florbela era uma mulher profunda, intensa, visceral, e isso se refletia em seus poemas. Por ser uma de minhas poetisas preferidas, pensei em escolher alguns de seus poemas para compartilhar com os leitores do blog. Então surgiu o impasse: que poemas escolher, já que são tantos e tão bonitos? Bem, não tem jeito, terei de escolher!!! Logo abaixo, deixo uma lista de seus livros. Como sua obra já é de domínio público, deixo links para para quem quiser baixá-los. Na sequência, um trailer do filme português "Florbela", que conta a história da poetisa. 


Amor que morre

O nosso amor morreu... Quem o diria?
Quem o pensara mesmo ao ver-me tonta,
Ceguinha de te ver, sem ver a conta
Do tempo que passava, que fugia!

Bem estava a sentir que ele morria...
E outro clarão, ao longe, já desponta!
Um engano que morre... e logo aponta
A luz doutra miragem fugidia...

Eu bem sei, meu Amor, que pra viver
São precisos amores, pra morrer,
E são precisos sonhos pra partir.

E bem sei, meu Amor, que era preciso
Fazer do amor que parte o claro riso
De que outro amor impossível que há-de vir!





Fanatismo
Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver !
Não és sequer a razão do meu viver, 
Pois que tu és já toda a minha vida !

Não vejo nada assim enlouquecida ...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida !

"Tudo no mundo é frágil, tudo passa ..."
Quando me dizem isto, toda a graça 
Duma boca divina fala em mim !

E, olhos postos em ti, digo de rastros :
"Ah ! Podem voar mundos, morrer astros, 
Que tu és como Deus : Princípio e Fim ! ..."




Os versos que te fiz
Deixa dizer-te os lindos versos raros 
Que a minha boca tem pra te dizer !
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.

Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder ...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer !

Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda ...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz !

Amo-te tanto ! E nunca te beijei ...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz!




Eu …
Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho,e desta sorte
Sou a crucificada ... a dolorida ...

Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!



Amar!
Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui...além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente
Amar!Amar!E não amar ninguém!

Recordar?Esquecer?Indiferente!...
Prender ou desprender?É mal?É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó,cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...





Algumas de suas obras:


A Mensageira das Violetas  BAIXAR

Poemas Selecionados  BAIXAR

Livro de Mágoas  BAIXAR

Charneca em Flor BAIXAR

Livro de Sóror Saudade BAIXAR

O Livro D’ele  BAIXAR


Trailer do filme:






Leia também:

Paulo Leminski: alguns de seus melhores poemas

Florbela Espanca: alguns poemas